Brasil e o Mundo você encontra Aqui

Loading...

Pesquisar na Folha de Paranatinga

Carregando...

Pomeri (antiga Fazendinha) em Cuiabá, Sistema Sócio Educativo de MT: Garoto de 15 anos esmaga cabeça de rival com ferro e mais de 35 facadas

A violência dentro do Pomeri assusta até os próprios funcionários que não se envolvem e não admitem que menores sejam torturados. Várias denúncias já foram feitas, mas as mortes e a violência não param dentro de um local que teria que educar e ressocializar, mas faz diferente: dá aula de violência e diploma meninos especialistas em todos os tipos de crimes

“O barril de pólvora começou a explodir, pois a violência lá dentro está só começando. Aliás, violência lá é o que não falta”. Palavras de um garoto de 16 anos. O adolescente Maxuel Elias Silva Almeida, de 17 anos foi executado com requintes de crueldade. O menor foi morto com barras de ferro e ainda levou mais de 35 golpes de chuços (faca artesanal) dentro do Centro Sócio Educativo de Cuiabá, no Complexo do Pomeri.

Como quem mata um mata quantos o assassino achar que deve e precisa, o garoto B.A.B.L., de apenas 15 anos matou mais um. O outro que ele tirou a vida foi em Matupá (Nortão, a 700 quilômetros de Cuiabá). O garoto B foi transferido para Cuiabá porque estava sendo ameaçado de morte naquela cidade, e agora faz sua segunda vítima.

A morte teria acontecido após Maxuel ter taxado B de estuprador, partindo daí uma rixa e logo em seguida as cenas macabras de uma violência que já vem se tornando rotina dentro do Pomeri nos últimos tempos. Além das torturas denunciadas, também existem os casos de execuções, onde as vítimas têm seus corpos mutilados.

O garoto B simplesmente se armou com uma barra de ferro e um chuço. Quando todos os menores foram liberados para o corredor, B, chamou o rival para uma cela desativada e o matou covardemente, sem dar nenhuma chance para a Maxuel. Não contente em deformar o rosto e a cabeça da vítima, o matador ainda pegou um chuço e desferiu mais de três dezenas de golpes contra o “amigo” de cela.

O corpo de Maxuel foi liberado pela delegada Anaíde de Barros da equipe de investigações da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). O acusado foi preso e autuado em flagrante em mais um crime de homicídio triplamente qualificado.

“Foi horrível. A cabeça da vítima ficou deformada com as pancadas por barra de ferro. Cego de ódio o assassino ainda desferiu mais de 35 golpes de chuços contra a vítima”, narrou a delegada Anaídes Barros.

GUERA E TORTURA

As cenas de violência, principalmente de tortura, segundo denúncias de menores infratores e de alguns agentes prisionais que temem por suas próprias vidas, tem virado rotina nos últimos tempos dentro do Complexo do Pomeri.

A Polícia e o Ministério Público do Estado (MPE) estão investigando, por exemplo, denúncias de torturas só vistas nos tempos da ditadura militar extinta há mais de 20 anos no País. Muitos adolescentes confirmam que são espancados e alguns garotos apresentaram os sinais da tortura como braços quebrados, orelhas cortadas parcialmente e escoriações provocadas por balas de borracha ou similares.

A violência e as mortes não pararam. O garoto Donizete Tolentino dos Santos, de apenas 15 anos, foi executado em junho do ano passado dentro do Complexo Pomeri. “O Pomeri nunca foi e nunca será um centro de ressocialização. Lá os garotos aprendem ainda mais violência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CONCORDA? O que SINCERAMENTE achou da Matéria? Por favor, Dê sua Opinião e figure nos "Últimos Comentários da Folha de Paranatinga". COMENTE. A FOLHA DE PARANATINGA AGRADECE DESDE JÁ A SUA PARTICIPAÇÃO!

AGRADECEMOS A VISITA.

Contador de visitas

10 Últimos Visitantes - Obrigado!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...